Pernambuco.com



Pesquisa personalizada



Publicidade

Estação Ponte d′Uchoa abandonada
Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR
10/04/2012 | 16h47 | Urbanismo



Compartilhar no Facebook  Compartilhar no Twitter Enviar por e-mail Imprimir

Entre os carros que trafegam pela movimentada Avenida Rui Barbosa, nas Graças, um pedacinho do passado chama a atenção. A Estação Ponte d’Uchôa está lá, lembrando os tempos em que o bonde era um dos meios de transporte mais comuns no Recife. O imóvel, inserido na Zona Especial de Preservação do Patrimônio Histórico da cidade, apresenta também marcas do abandono. As telhas estão desgastadas, a pintura precisa ser retocada e uma infestação de cupins toma conta das madeiras do teto.

O engenheiro civil José Clemente ponderou que a situação é precária, mas não representa riscos para os pedestres que passam pelo local ou para os que descansam nos bancos da estação. “A preocupação é mais arquitetônica e histórica do que de engenharia. As telhas estão desgastadas, mas não há risco grande de desabamento”, esclareceu. Por outro lado, o flanelinha Adeilton Silva - que trabalha diariamente nas redondezas da estação tomando conta de carros - contou que já presenciou acidentes com a estrutura do imóvel. “Parte da madeira que decora o teto caiu durante um dia de forte chuva. Tememos que isso volte a ocorrer quando o inverno começar”, disse. A conservação da Estação Ponte d’Uchôa é feita pela Emlurb. Procurado pelo Diario, o órgão informou por meio de nota que já foi realizado um estudo técnico sobre a situação do patrimônio histórico. “A licitação das obras  está em andamento e a expectativa é de que a intervenção comece até o próximo mês de junho”.

História

A placa, afixada na pracinha onde a estação fica, destaca a importância do ponto para a cidade. “É um dos exemplos da arquitetura de ferro da cidade”, revela o letreiro. O historiador Leonardo Dantas também ressaltou a relevância da estação para o patrimônio da cidade. “O trecho denominado de Ponte D’Uchoa, situado na área compreendida entre a Ponte da Torre e o Sítio da Jaqueira, tem a sua denominação originária da segunda metade do século 17, quando o senhor do Engenho da Torre, Antônio Borges Uchoa, mandou construir uma ponte de madeira sobre o Rio Capibaribe. É um legado histórico da cidade”, destacou.

O ponto de parada dos bondes foi construído em 1865, pela Empresa de Trilhos Urbanos, mas só começou a funcionar dois anos depois. A maxambomba percorreu os trilhos do Recife até 1915, quando a estação foi desativada temporariamente. Até 2002, o prédio funcionava como parada de ônibus. “Essa parada foi transferida para facilitar o trânsito no local, que é muito intenso. Por lá, passavam 19 linhas de ônibus até 10 anos atrás”, informou o Grande Recife Consórcio de Transportes.







Mais notícias





Conheça o Pernambuco.com
Últimas | Cidadão repórter | Divirta-se | Promoções | Gastrô | Turismo | Tecnologia | Pernambuco.cão | Mundo Ela | Cadastro | Quem somos
 Diario de Pernambuco | Aqui PE | Clube FM | Rádio Clube AM | TV Clube | Superesportes | Vrum | Lugar Certo | Admite-se
Copyright - Pernambuco.com | todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo desta página sem a prévia autorização | faleconosco@pernambuco.com