Últimas Diversão Comunidade Tecnologia Esportes Turismo Quem Somos
Diario de Pernambuco TVGuararapes Radio Caetés Rádio Clube
Atualizado em 14|11|2004 
Domingo | Uma questão de imagem e auto-imagem
   DIARIO
   Índice Geral
   Expediente
   Ed. Anteriores
   Assinaturas
   História
   CADERNOS
   Política
   Brasil
   Mundo
   Economia
   Esportes
   Vida Urbana
   Viver
   SUPLEMENTOS
   Revista da TV
   Empregos
   Domingo
   Interior
   Viagem
   Informática
   Carro
   Imóveis
   Saúde
   Diarinho

    SERVIÇOS

   Loterias

Domingo
Uma questão de imagem e auto-imagem
Para quem vive uma fase constante de mudanças orgânicas, lidar com a beleza fica ainda mais difícil. "Praticamente não existe uma adolescente satisfeita com o corpo. Desesperadas para encaixar-se no padrão elas acabam tomando atitudes extremas e adquirem doenças como anorexia e bulimia nervosas", pontua Alberto Goldin, psiquiatra e psicanalista graduado pela Universidade de Buenos Aires. "Beleza é uma questão de imagem e auto-imagem. Há o transtorno do corpo disfórmico, quando a mulher se vê com defeitos que, na verdade, não existem. Mais de 15% das pacientes que procuram a cirurgia plástica sofrem desse distúrbio", acrescenta Tommaso.


Marina Macedo festeja superação. Foto: Alejandro Zambrana/Especial para o DIARIO.
  A adolescente Marina Macedo, 16 anos, conviveu com a rotina de ser taxada de gorda na escola e até dentro de casa. "Tudo sempre foi motivo para as pessoas me xingarem de gordinha. Sem falar que eu sofria comparações com minha irmã, que tem o corpo perfeitinho e sempre era bajulada. Minha mãe reclamava que minhas roupas eram mais caras porque eram compradas em lojas para gordos", lembra a garota. "Isso foi me incomodando muito e eu me achava feia. Toda vez que fazia dieta, engordava o dobro. Então passei a vomitar tudo que comia, me auto-punia por comer em excesso. Isso me deixou bulímica e com algumas seqüelas", relata Marina que tem como ideal de mulher bonita a chamada gostosa.

  Para a psicóloga Vera Marques, a maior vítima da ditadura da beleza é o adolescente, que vive uma mudança corporal, hormonal e emocional sem controle. "A ansiedade em ficar mais magro causa o efeito contrário, levando-o, algumas vezes, a obesidade", alerta a psicóloga. Há dois anos, Marina passou a ser acompanhada por um psicólogo e a freqüentar a academia. Ela perdeu mais de 30 kg e seu manequim passou de 50 para 42/44. "Ser gordinha desde a infância é muito difícil, eu chorava muito. Tive muita força de vontade para emagrecer e hoje não me cobro tanto", confessa a adolescente

Serviço

Alberto Goldin - 21 2294.5725
Marco Antonio de Tommaso - 11 3887.9738
Voltar

Clique aqui e leia os Comentários

 

 
        Escolha aqui um canal do Pernambuco.com:
quem somos | contato comercial | sua opinião sobre o portal
Copyright 2004 - Pernambuco.com | todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo desta página sem a prévia autorização | faleconosco@pernambuco.com