Últimas Diversão Comunidade Tecnologia Esportes Turismo Quem Somos
Diario de Pernambuco TVGuararapes Radio Caetés Rádio Clube
Edição de Segunda-Feira, 8 de Dezembro de 2003 
Especial Holandeses em Pernambuco | Historia naturalis Brasiliae
   DIARIO
   Índice Geral
   Expediente
   Ed. Anteriores
   Assinaturas
   História
   CADERNOS
   Política
   Brasil
   Mundo
   Economia
   Esportes
   Vida Urbana
   Viver
   SUPLEMENTOS
   Revista da TV
   Empregos
   Viver Mulher
   Viagem
   Informática
   Carro
   Imóveis
   Saúde

    SERVIÇOS

   Loterias

Especial
Historia naturalis Brasiliae
A produção científica da Missão do Conde de Nassau, ficou por conta de Willem Piso (1611-1678) e de Georg Marcgrave (1610-1644) e aparece em 1648, quando da publicação da obra Historia naturalis Brasiliae etc., impressa em Amsterdã, no formato 38 cm x 35 cm por Elzevier. A edição contou com a colaboração de Joannes de Laet, autor de LáHistoire du Nouveau Monde ou Description des Indes Occidentales., impressa em Leiden em 1640, que a pedido do Conde João Maurício de Nassau, se encarregou da compilação e tradução das notas de Georg Marcgrave, prematuramente falecido na África em 1644. Em sua primeira edição, o livro reúne 429 ilustrações de autoria dos pintores da comitiva de Nassau e algumas xilogravuras do próprio Marcgrave, sendo aberto por uma folha de rosto magnificamente ilustrada por Theodoro Matham. Assinada por dois autores, os quatro primeiros livros são autoria de Willem Piso, De Medicina Brasiliensi, e os oito restantes de autoria de Georg Marcgrave, História rerum naturalium Brasiliae, os quais foram compilados e anotados por Joannes de Laet. Os oito livros finais tratam, os três primeiros de botânica, o quarto sobre peixes, o quinto sobre pássaros, o sexto sobre quadrúpedes e serpentes, o sétimo sobre insetos e o oitavo (escrito por Joannes de Laet) descreve a região do Nordeste do Brasil e seus habitantes. Esta última parte é de raro valor etnográfico e lingüístico, sendo utilizada na sua elaboração notas de Jacob Rabbi, notável intérprete a serviço dos holandeses, e o extenso vocabulário tupi compilado pelo padre José de Anchieta.12

Alegando imperfeições na primeira edição, Willem Piso promoveu uma segunda em 1658, De Indiae Utriusque re naturali et medica, impressa em Amsterdã, nas oficinas de Ludovicus et Daniel Elzevier, no formato 36 x 22cm. A obra compreende seis livros do próprio Piso, reunidos sob o subtítulo Historiae naturalis et medicae Indiae Occidentalis, 332 p.; Tractatus topographicus et metereologicus Brasilae, cum Observatione Eclipsis Solaris, 39 p., de autoria de Georg Marcgrave; Historiae naturalis et medicae Indiae Orientalis, 160 p., de autoria de Jacobi Bonti e um estudo sobre a Mantissima aromatica, do próprio Piso. Esta edição é aberta por uma notável folha de rosto, gravada em lâmina de cobre provavelmente por Theodoro Matham, a qual se sucedem cinco páginas sem numeração. Os originais da obra encontram-se na Biblioteca Albertina, em Viena, sendo as duas edições ainda hoje muito consultadas pelos estudiosos da matéria contida em seus capítulos.

Em 1942, a Historia naturalis Brasiliae etc. veio a ser traduzida para o português pelo monsenhor José Procópio de Magalhães, sob o título História Natural do Brasil, numa publicação do Museu Paulista e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, in folio, 25,5 cm. x 39 cm., com a reprodução da folha de rosto, iluminuras e desenhos da edição de 1648. Prefácio de Affonso de E. Taunay. 298 p + CIV.

Outro livro de rara beleza iconográfica é o poema de Franciscus Plante, Mauritiados, dedicado ao Conde João Maurício de Nassau, de quem era capelão. A obra, datada de 1647, impressa em Amsterdã por Joannis Maire, tem o formato de 42 cm x 30 cm, 205 p., sendo ilustrada por 20 gravuras (anteriormente publicadas no livro de Gaspar Barlaeus), quatro mapas desdobráveis (Ceará, Pernambuco, Paraíba e ñPernambuco Borealá), um retrato de João Maurício de Nassau (o mesmo do livro de Gaspar Barlaeus, gravado por Theodoro Matham) e outro do próprio Franciscus Plante, gravado por Jonas Suyderhoof. Já em 1872, esta obra era considerada por Fr. Mueller como um trabalho raro e magnífico.13

De extrema raridade é outro folheto (16 p. il.), que também leva a assinatura do reverendo Franciscus Plante, totalmente desconhecido pelos bibliógrafos e estudiosos que se dedicaram ao período holandês. Trata-se de um texto poético, com 16 páginas contendo preciosas ilustrações, sobre a tentativa da tomada da Bahia de Todos os Santos por frota comandada pelo Conde João Maurício de Nassau, publicado, sob o título Legatio Pernambucencis, impresso em Leiden, na oficina de Wilhelmi Christiani, em 1642. O único exemplar conhecido deste precioso opúsculo encontra-se hoje na biblioteca do Prof. José Antônio Gonsalves de Mello, adquirido à Livraria Kosmos (Rio de Janeiro), em 8 de março de 1973. Atualmente este precioso exemplar integrar o acervo do Instituto Ricardo Brennand (Recife), onde se encontram todos os livros que pertenceram à Biblioteca do notável homem de letras José Antônio Gonsalves de Mello.

 
        Escolha aqui um canal do Pernambuco.com:
quem somos | contato comercial | sua opinião sobre o portal
Copyright 2003 - Pernambuco.com | todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo desta página sem a prévia autorização | faleconosco@pernambuco.com