Edição de Sexta-Feira, 11 de Julho de 2003
 
Início Diario de Pernambuco Vida Urbana Neco de Cassiano preso em Rondônia

Diario

Índice Geral
Expediente
Ed. Anteriores
Assinaturas
 

Cadernos

Política
Brasil
Mundo
Economia
Esportes
Vida Urbana
Viver
 

Suplementos

Revista na TV
Empregos
Viver Mulher
Viagem
Informática
Saúde
Carro
Imóveis
 

Serviços

Loterias

 

Vida Urbana

Neco de Cassiano preso em Rondônia

SEQÜESTRADOR

Um dos sequestradores mais procurados do Estado, Manoel Faustino dos Santos, o Neco de Cassiano, 46 anos, foi capturado ontem pelos policiais do Grupo de Operações Especiais (GOE), no município de Ariquemes, a 198 quilômetros de Porto Velho, em Rondônia. Fugitivo da Justiça desde 1998, Neco vivia na cidade rondonense com a mulher, Suely Gomes da Silva - que também tinha prisão temporária decretada por participação nas ações de seqüestro. Ele foi encontrado com documentos falsos em nome de Paulo Ronaldo Martins e deverar chegar ao Recife hoje à noite ou na segunda-feira. A prisão aconteceu por volta das 13h e foi realizada por um delegado e dois agentes do GOE de Pernambuco, com apoio da Polícia Federal de Rondônia.

  De acordo com a Secretaria de Defesa Social, Neco possuía dois caminhões agregados à Prefeitura de Ariquemes e de lá organizava e monitorava os seqüestros realizados em vários estados do Nordeste. Segundo o secretário adjunto de Defesa Social, Renato Silva Filho, Neco teve participação direta eindireta em todos os maiores seqüestros realizados em Pernambuco, com atuação mais voltada para Agreste do Estado.

Sua primeira investida aconteceu em 1993, tendo como vítima Ericka Vanessa Claudino de Andrade, então com 15 anos, em Garanhuns. Neco tornou-se conhecido pela forma inusitada com que estabelecia contato com parentes das vítimas para fazer pedidos de resgate. Ele foi o primeiro a utilizar anúncios de jornal com esse intuito, conseguindo driblar a Polícia.

FUGAS - O seqüestrador foi responsável também por uma das fugas mais mirabolantes já registradas no sistema penitenciário do Estado. No dia 9 de dezembro de 1998, ele conseguiu sair do presídio Aníbal Bruno depois que um caminhão derrubou o muro da unidade. Desde então, vinha sendo procurado pela Polícia. Com dezenas de mandados de prisão expedidos pela Justiça, em abril de 2002 ele passou a ter sua foto divulgada, através de uma campanha publicitária promovida pelo Disque-denúncia. O serviço oferecia recompensa de R$ 10 mil para quem indicasse o paradeiro do acusado. A campanha foi reforçada no início deste ano, o que fez a Polícia ter acesso aos passos do foragido.

  Segundo os informes recebidos, Neco chegou a ser visto várias vezes no Estado e continuou organizando seqüestros e arregimentando pessoas para atuar nas quadrilhas (que chagavam a ter até 16 integrantes). Nos últimos sete meses, o GOE monitorava seus passos, sem conseguir capturá-lo. Segundo a Polícia, Neco deixou de ser visto depois que dois cunhados de um primo dele foram presos em abril deste ano. Acy Ivo Ubirajara e Reginaldo Alexandre do Carvalho estavam na fazenda de José Maria Pedro Rosendo Barbosa (primo do acusado) quando foram pegos portando sete armas que seriam utilizadas em um suposto seqüestro.

MANDADOS - Neco possui também mandados de prisão expedidos pelos seqüestros de Jordão Moraes (Caruaru), José Geraldo Fernandes de Lima (Belo Jardim), os irmãos Marconi e Antônio Marcos da Silva (Vitória de Santo Antão), José Ailton da Silva Filho e Simone Maria de Sobral (Santa Cruz do Capibaribe), Joqtã de Almeida Barros (Garanhuns), o menino Vitor Rafael, de sete anos (Alagoas), Elinaldo Damansceno Santos (Sergipe) e duas pessoas de Barreiras (Bahia). Um forte esquema de segurança está sendo montado para evitar uma nova fuga do seqüestrador.

Comentários dos leitores

"Parabéns à Polícia Civil de Pernambuco pelo trabalho realizado com ajuda da PF em Rondônia.", Pernambucano, por e-mail.








 

 
 
Sua Opinião


Copyright 2001 - Pernambuco.com

Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo
desta página sem a prévia autorização.
diario@dpnet.com.br