(Atualizado no dia 29/12/2002)
 
Início Diario de Pernambuco Saúde Câncer raro afeta mulheres

Diario

Índice Geral
Expediente
Ed. Anteriores
Assinaturas
 

Cadernos

Política
Brasil
Mundo
Economia
Esportes
Vida Urbana
Viver
 

Suplementos

Revista na TV
Empregos
Viver Mulher
Viagem
Informática
Saúde
Carro
Imóveis
 

Serviços

Loterias

 

Saúde

Câncer raro afeta mulheres

Primeiros sintomas são irritação e coceira no bico e auréola do seio, mas com o passar do tempo podem surgir feridas, secreções e fortes dores

Roberto Cavalcanti
Da equipe do DIARIO

Tipo raro de câncer de mama - sua incidência é de apenas um caso para cada cem mulheres vítimas de tumores malignos no seio - a doença de Paget vem recebendo uma atenção especial por parte dos oncologistas que lançam um alerta à população feminina acima de 35 anos. Irritação na área do bico e da auréola, vermelhidão e coceira permanente podem representar, segundo os especialistas, muito mais do que um simples processo alérgico. Eles aconselham, nos casos em que os sintomas não respondam à medicação tópica num prazo de dez dias, que as mulheres procurem imediatamente um mastologista, já que o diagnóstico tardio pode levar ao comprometimento de toda a mama, além do surgimento de metástase nos ossos, pulmão, fígado e cérebro.

  O problema, facilmente confundido com uma dermatite ou reação alérgica ao sutiã, muitas vezes engana até os dermatologistas, além de provocar uma certa negligência nas mulheres, que insistem em remediar a lesão por conta própria, através do uso de pomadas antialérgicas. O mastologistaAntônio Figueira Filho explica que inicialmente a sintomatologia é simples, mas com o passar do tempo a mulher pode apresentar feridas de grandes proporções, eliminação de secreção e até dores fortes. "Como a doença de Paget pode ou não estar associada a um tumor maligno na parte interna da mama, o diagnóstico correto e o rápido tratamento são fundamentais, aumentando as chances de cura", enfatiza.

Evolução - Antônio Figueira explica que no estágio inicial, o tratamento mais indicado é a remoção do quadrante central da mama, seguido de sessões de radioterapia. Já nos casos em que a doença de Paget evoluiu para a formação de tumores na área interna do seio, deve-se fazer uma mastectomia total, com posterior tratamento químio e radioterápico. "Há ainda casos onde o comprometimento é maior, sendo necessária a retirada de grande parte do tecido das axilas, podendo a reconstrução mamária ser realizada de forma imediata, sem grandes traumas psicológicos para a mulher", ratifica.

  Centro de referência no tratamento de diversos tipos de tumores malignos no Norte e Nordeste, o Hospital do Câncer de Pernambuco tem registrado cerca de cinco casos da doença de Paget num universo de 500 novos diagnósticos anuais de cânceres de mama. O Mastologista Jaime Queiroz ressalta que a realização de mamografias e biópsias é fundamental para que se possa confirmar a existência ou não do problema. "Só após esta confirmação e a certeza da extensão do comprometimento da mama é que se pode realizar o tratamento, que pode ser conservador, assegurando a manutenção da mama, ou mais radical, dependendo da paciente,", diz.

Alerta - Ex-portadora da doença de Paget, a aposentada Ana Maia, 55 anos, revela que por mais de seis meses conviveu com uma lesão no bico do seio direito sem que nenhum medicamento conseguisse sará-lo. Só após uma consulta de rotina ao mastologista foi que o problema pode ser diagnosticado e tratado a tempo. "Fiz uma pequena cirurgia para a remoção da área central do seio, que foi imediatamente reconstituída. Após trêsmeses de sessões de radioterapia, fui considerada curada e hoje faço exames regularmente, sem que tenha havido reincidência", comemora.

Serviço
Antônio Figueira Filho - 3231.5198
Jaime Queiroz - 3423.4588
Hospital do Câncer - 3423.2088
www.cabest.com.br








 

 
 
Sua Opinião


Copyright 2001 - Pernambuco.com

Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo
desta página sem a prévia autorização.
diario@dpnet.com.br